Hollywood quer agradar a China

Filmes são acima de tudo empreendimentos. Um negócio extremamente caro e lucrativo .  Em uma era de blockbuster, a industria tem se focado cada vez mais nos mercados estrangeiros, e um deles em particular tem chamado muito a atenção dos executivos em Hollywood.

Donnie Yen em Rogue One

 

Dona da maior população do mundo e uma das economias mais ferozes da ultima década, a China tem se consolidado nos últimos anos como um dos mercados mais lucrativos do cinema internacional. Com surgimento de uma classe média emergente no país a demanda por filmes estrangeiros nunca foi tão grande.

Devido o regime fechado, até o fim da década de 80 o cinema chinês era habitado quase que exclusivamente por filmes de propaganda que progressivamente foram perdendo seu apelo com o público geral, principalmente após a abertura econômica promovida por Deng Xiaoping.

Em 1994, O Fugitivo, estrelado por Harrison Ford foi o primeiro grande lançamento do cinema norte americano simultaneamente lançado também nos cinemas da China. O sucesso foi estrondoso e não passou despercebido pelos principais estúdios, que ao longo dos anos foram pressionando o governo norte americano a negociar juntamente com o governo chinês a cota anual de filmes estrangeiros permitidos no país. Em 94 o governo permitia a exibição de 10 filmes estrangeiros em território chinês, hoje esse número subiu para 34. Desde então, o mercado chinês virou o novo queridinho de Hollywood.

Ranking dos mercados estrangeiros de cinema

E o mais interessante é que provas desse fenômeno tem ficado cada vez mais evidentes nos próprios filmes em si. O Crescimento do número de personagens de etnia ou origem chinesa  assim como o papel geopolítico da China tem sido explorados com uma grande frequência como recurso narrativo nos lançamentos mais recentes visando justamente agradar esse novo público.

Independence Day Resurgence apresenta dois personagens chineses na trama.

 

Filmes como A Chegada, O Marciano e Gravidade trazem a China em um papel mais sutil no contexto geopolítico.

 

Esse tipo de fenômeno é muito interessante, particularmente por nos mostrar o lado mais “mercenário” da sétima arte mainstream. As vezes a menor das decisões criativas tem um motivo mercadológico. Por outro lado é para o público chinês com certeza é muito empolgante ver esse crescimento de representatividade nos filmes que são um sucesso naquele território. Se essa representatividade é bem feita, sincera ou serve bem os propósitos da trama, ai é outra história.

Sobre Anderson Souza

Anderson Souza

Estudante de Biomedicina, admirador de jogos e vagabundo semi profissional.

Veja Tambem

Bons motivos para ver Sing Street: Música e Sonho

Se você é, como eu, do tipo que curte garimpar o catálogo do Netflix buscando …