Papo Delas #05 – Programa de índio

Chegou mais um Papo Delaaaaaas…
Nesse episódio do mês de setembro as meninas vão contar histórias de rolês furados, situações bizarras e constrangedoras, lugares ruins de frequentar, Viagens bad vibes, casamentos conceituais, enfim, tudo que se encaixa em um maldito PROGRAMA DE ÍNDIO.
Prepare-se para essa verdadeira cilada em MP3 e venha rir com cada história pior que a outra.
Integrantes: Cafeína, Patsy , Ingrid Convidada: Rafaella Storm (EitaCast)

Duração:  1h e 42 minutos

Email: papodelas@plataformageek.net
Facebook: Plataforma Geek
Twitter: @Plataforma_Geek
Instagram: @Plataformageeknet
Feed do Podcast: Clique Aqui!
Itunes: PlataformaCast no Itunes

Entre também nos nossos grupos:
Plataforma Geek no Facebook

Ouvintes do PG no Telegram
PADRIM DO PG!

 

Vitrine: Bergs Edição: Bergs e Cafeína

 

 

Sobre Berg's

Berg's
Zueira em primeiro lugar, depois a gente fala sério.

Veja Tambem

SuperGameBrothers #38 – Jogos de RTS (Estratégia em tempo real)

Sejam bem vindos a mais um episódio do Super Game Brothers, o podcast de games aqui …

  • Dionelson Silva

    Quem nunca teve um programa de índio que atire a primeira pedra.
    E ao não gostar da festa/evento/churrasco, vai ficar claro na minha cara. Isso se eu não acabar bebendo um pouco a mais pra suportar ou simplesmente ir embora sem avisar ninguém do local.
    Se chegar visita, eu vou fazer sala? Não. Possivelmente vou arrumar uma desculpa pra sair pra rua.
    Sou taxado de antissocial por causa disso? Sim. Me importo? Nem um pouco.
    Já fiquei em muito lugar, já fiz muita sala pra gente que nem conheço e não tenho mais paciência pra esse tipo de coisa.

    Forte abraço e Storm, tu vai pro céu depois de tudo o que relatou!

  • Vinicius Gusman

    Muito obrigado Divas por me lembrar porque é bom ser anti-social!!
    Vocês continuam maravilhosas

    Rafa Storm… Só o céu pra você…
    Beijos

    As trilhas são um caso a parte…

  • Joao Paulo

    Outro Papo delas sensacional

    Minha mãe é mineira, e assim com a mãe da Ingrid também tem o costume de que quando vinha visita aqui em casa, eu e minhas irmãs dormiam em colchão, e quando éramos visitas, também tínhamos que dormir em colchão, já que seria falta de educação deixar os donos da casa dormir em colchão. A lógica inexiste nesta questão, mas tínhamos que acatar a ordem dela

    O pior programa de índio é qualquer festa ou evento social que envolva família. E como minha família pelos dois lados são folgados, aprendi a ser incômodo em qualquer desse eventos, sendo ácido e irônico nestes encontros familiares.

  • Edivaldo Alves

    Se vocês acham q acampamento já é furada, convido-as a aumentar a cilada qdo alguém te falar.. “Vamos pescar”. E se esse cara for meu pai, aconselho q corra o máximo q puder sem olhar para trás! Pescarias na “barranca” do rio…-rio é uma forma de chamar os buracos com água q ele tem a incrível capacidade de encontrar – e, obviamente, sem peixes. Passar fome pq não pescou nada é super divertido, garanto! Afinal, vc está em contato com a natureza. Vou contar uma. Fomos pescar num sítio de um cara. Era um dia frio e o q ouvimos foi… ” a hora boa de peixe é na boquinha da noite ou no cuzinho da madrugada” – anoitecer e amanhecer para os leigos – então fomos lá com um super equipamento q consistia em três varas de pescar de bambu de um metro e meio, com uma boia improvisada com algum pedaço de galho. O resultado de uma noite inteira à beira do rio foram 3 bagres de uns 20 cms cada, não mais q isso. E a pérola é q, deixamos num “borná” e ele foi esquecido na volta pra casa. Isso mesmo, fomos pescar e não trouxemos os peixes. E essa foi uma das melhores! Cilada maior q essa, não tem! Abraços. Ri demais com as histórias e me identifiquei com várias!

  • Edivaldo Alves

    Tenho outra interessante! Sou de Cascavel-PR. E aqui tem um autódromo q recebe a Fórmula Truck quase todo ano – aliás, foi aqui a primeira corrida da história da fórmula truck, eu estava lá e lembro pq um piloto morreu. Naquela época eram apenas caminhões normais e não esses todos preparados como hj – enfim, há uns 15 anos atrás, alguém disse : Tenho ingressos, vamos lá.. ACAMPAMOS lá no autódromo, fazemos um churras, tomamos umas brejas e domingão assistimos a corrida! Aqui começa o inferno. 1º aviso ciladeiro :Tinha só um carro, um Uno para 6 pessoas mais as porcarias para fazer o tal churras e afins. 2º aviso ciladeiro: Eu pedi emprestado – é importante esse ponto – uma barraca para uns parentes, uma barraca para 2 pessoas, afinal era festa, nem ia ser usada pq passaríamos a noite curtindo. 3º aviso ciladeiro :Chegando lá – q vale dizer é na pqp de tão longe – o nível de “pelegagem” (pelegagem, caso não saibam é um termo usado para dizer q tava cheio de zé povinho – manos e manas – hj seria o equivalente a uma reunião de fãs de sertanejo universitário), estava mais de 9000, além de um vento gelado de congelar a alma. Pra resumir a noite : eram 3 casais. 2 das mulheres ficaram na barraca pra fugir do vento gelado, uma dentro do carro e os três otários ficaram a noite toda se revezando buscando lenha pra manter a fogueira – o churrasco foi pra casa do caralho e a noite interminável foi brindada com o fato de q nem vimos a corrida, pois estávamos tão cansados q fomos embora antes.Mas… “para, para, para!!!!!” achou q terminou por ai? Nãooo!!! Cilada q se presa tem cauda… tem consequência, tem prejuízo! Meses depois, recebo a ligação do tal parente q emprestou a barraca pedindo ela de volta! Eu jurava q já tinha devolvido e ele afirma q não! Além de levar uns belos xingamentos de pilantra pra baixo tive ir a uma loja de material esportivo e comprar uma barraca… q claro.. não tinha só pra duas pessoas e tive q comprar uma para 3 ou 4 pessoas, de qquer forma bem melhor do q aquela q eu havia emprestado. Pois é… tá bom pra vcs? Cilada pouca é bobagem!!!

  • Felipe Sarinho

    Programa de indio… acho que todos os meus são praticamente com a familia… ir pra casa de parentes que dizem que te viiu quando você era um zigoto, ficar la fazendo nada enquanto os velhos conversam, ver a pirralhada gritando feito a desgraça e por ai vai, não gosto de interagir, ate porque nao vale a pane, sou anti social :V, e nao tenho muito o que falar sobre o tema, praticamente só isso, um abraço a todas e estarei esperando o proximo episodio.

  • Deyvid Alexandre Gonçalves

    simplesmente um papo Delas programa de índio , pra mim programa de índio e chamar a garota pra sair e ela te dar um fora hahaha (ja aconteceu muito isso comigo)

  • Deyvid Alexandre Gonçalves

    outro programa de índio e convidar pra jantar e você tem que pagar a conta

  • Berserk Griffon

    Vou deixar meu comentário aqui que ouvi o podcast e amei como sempre ! <3 Mas eu vo escrever mesmo é um email gigante ! 😀 Aguardando ansiosamente o podcast de problemas amorosos pra contar minhas trouxices pra vocês :3 // Se colocar na meta de padrim "Jogar Gartic com a Cafeina uma vez por mês" eu deixo de ir de ônibus pra algum lugar pra doar pro padrim :3 // Fiquei triste pq perdi o episódio 4, pq a Cafeina coloca o link no grupo do PLN e acho que não apareceu pra mim 🙁

  • Fabio Jose Patricio Mota

    Nossa muito bom o cast, como tive programas de índio nessa minha vida, desde acampar em dia de chuva, até virada de ano na praia dormindo na rede em uma carroceria de caminhão por 4 dias, e ter 30 pessoas para usar um banheiro, de uma meia água, e quando voltar p casa,não conseguir caminhar de doe nas costas. Mais e isso ai continuem com esse projeto muito bom, onde mulheres não falam de homens ou assuntos eróticos.

  • Adriano Couto

    Mais um ótimo cast, meninas!! Mas Cafeína, pelo amor, hein?! Você não gosta de NADA, mulher?? Parece ter mais espírito de velho do que eu, hahaha! Beijos!

  • Amanda

    Se alguém na minha família tiver a coragem, pra não dizer cara de pau, de falar que eu vou morrer sozinha se não mudar meus modos, só vai levar um: Prefiro morrer sozinha do que viver com você. E de quebra nunca mais ia ter festa em família.